NOTA DE PESAR

A Agert comunica o falecimento nesta quarta-feira (17/02), de Antônio Luis Piccoli, um dos fundadores do Grupo RSCOM, com emissoras de rádio em diversas cidades da Serra Gaúcha e na Itália.

Em sua trajetória profissional, Antônio também foi professor de Jornalismo da PUC/RS, na capital do Estado, e diretor do Sesc em Bento Gonçalves e Santa Maria.

Antônio deixa além da esposa Maristela e a filha Giuliana, os irmãos Carlos, Beatriz e Silvana e a mãe, Dona Assunta.

Ainda não temos informações sobre os atos fúnebres.

Atenciosamente,

Roberto Cervo Melão

Presidente da Agert

Nova diretoria do Sindicato das Empresas de Rádio e TV do RS toma posse

IMG 0414

O SindiRádio - Sindicato das Empresas de Rádio e TV do Rio Grande do Sul - tem nova diretoria para o triênio 2021-2024. Em cerimônia reservada na tarde de quarta-feira (27), a então presidente Christina Gadret passou o cargo para Roberto Cervo Melão, que também preside a Associação Gaúcha de Emissoras de Rádio e Televisão (Agert) e é vice-presidente da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e TV (ABERT).

Christina Gadret foi a primeira mulher e a mais jovem presidente a assumir o comando do Sindicato, em 2018, e afirmou em seu discurso que, ao assumir o SindiRádio, não imaginava que seria um mandato tão intenso. "Logo no início tivemos que adequar nossas negociações coletivas à Reforma Trabalhista de 2017, bem como às mudanças na Lei dos Radialistas, em 2018. E fizemos todas as negociações de forma muito assertiva. Tivemos depois a greve dos caminhoneiros, que paralisou a economia em 2019, um baque para o setor empresarial. E, depois, em 2020, veio a pandemia, que ainda estamos vivendo. Todas essas situações fizeram com que o nosso Sindicato tivesse uma importância ainda maior, e agora posso dizer que fizemos um ótimo trabalho e ele não poderia ter sido feito de forma tão assertiva se não em conjunto com a nossa diretoria", afirmou. Christina ainda agradeceu pela confiança das 331 empresas de Rádio e de TV de todo o Rio Grande do Sul que são representadas pela entidade.

O novo presidente do SindiRádio, Roberto Cervo Melão, elogiou a gestão de Christina Gadret à frente do Sindicato e falou da sua paixão pela radiodifusão. "Nós somos apaixonados por aquilo que fazemos e é por isso que as coisas andam e acontecem, é por isso que somos respeitados. A nossa credibilidade é imbatível e não vem pelo acaso, vem pelo trabalho", afirmou. Melão também falou diretamente para a diretoria, parceiros do SindiRádio e aos ex-presidentes, em especial Ary Florêncio Cauduro dos Santos, que estava prestigiando o evento, além de expressar sua preocupação com as emissoras de Rádio e TV em decorrência da pandemia. "Então, meu amigos, com o SindiRádio, que nas mãos do Ary foi brilhante e na forma guerreira da Christina, quero continuar aprendendo", ressaltou.

Roberto Cervo Melão assume a presidência do SindiRádio com a experiência adquirida em anos de atuação no setor da radiodifusão, além de sua larga visão do setor, com grande representatividade frente às autoridades do poder Executivo, Legislativo e Judiciário, bem como no meio empresarial. Fica assim, então, constituída a nova diretoria para o triênio 2021-2024:

Roberto Cervo Melão – Presidente

Rafael Gadret – Vice-Presidente Administrativo

Sérgio A. Mallmann – Vice-Presidente Institucional

Antônio Alberto Lucca – Vice-Presidente de Desenvolvimento e Gestão

Aurélio Lemos Clasen – Secretário

Edison Lopes de Bem – Tesoureiro

Gabriel Roberto Casara - Suplente Diretoria

Miguel Puretz Neto - Suplente Diretoria

Renato Gatti de Albuquerque - Suplente Diretoria

Edgar Marques Martinez - Suplente Diretoria

Kamal Zuheir Badra - Conselho Fiscal

Lauri Brietzke - Conselho Fiscal

Carlos Reinaldo C. Fonseca - Conselho Fiscal

André Luís Jungblut - Suplente Conselho Fiscal

Verdi Ubiratan de Moura - Suplente Conselho Fiscal

Itamar Jacob Belin - Suplente Conselho Fiscal

Representantes Efetivos Perante Entidades Superiores: Gabriel Roberto Casara (Setor de Televisão), Leonardo Meneghetti (Suplente Setor de Televisão), Roberto Cervo (Setor de Rádio) e Luís Fernando Santos Cardoso (Suplente Setor de Rádio).

Fonte: Vanessa Fontoura - Camejo Estratégias em Comunicação 

Foto: Crédito: Neitor Corrêa

Férias coletivas na Agert

Prezados Associados:

Informamos aos associados e ao público em geral que a Agert estará de férias coletivas a partir do 21 de dezembro até o dia 9 de janeiro, retornando suas atividades normais no dia 11 de janeiro.

Atenciosamente,

Roberto Cervo Melão

Presidente da Agert

Mais de R$ 144.649.176,26 milhões em mídia doada: AGERT apresenta 17ª edição do Relatório Social da Entidade

 

 

Leite lendo relatório social

 

Evento virtual de lançamento da A A publicação ocorreu nesta quinta-feira (26), com a participação do governador do estado, Eduardo Leite. Edição de 2020/ano base 2019 contou com a participação de 225 emissoras associadas.

Na manhã desta quinta-feira, 26 de novembro, a Associação Gaúcha de Emissoras de Rádio e Televisão (AGERT) apresentou a autoridades - dentre elas o governador do Estado, Eduardo Leite e o vice-governador, Ranolfo Vieira Júnior, a 17ª edição do Relatório Social, material que apresenta os dados de mídia doada pelos radiodifusores associados ao longo de 2019. O Relatório Social está disponível no site da entidade: https://www.agert.org.br/relatorio-social

Com a edição foi registrado o valor de R$ 144.649.176,26 milhões, doados por 225 emissoras para divulgação de ações sociais. Além dos dados e de cases na divulgação de ações sociais, a revista aborda o tema "A violência contra a mulher e o papel da mídia no combate ao feminicídio'', com entrevistas e reportagem especial. A AGERT conta hoje com 307 emissoras associadas e, desde 2004 - ano em que teve início o projeto do Relatório Social -, conta com engajamento cada vez mais intenso das emissoras.

Na reunião virtual, transmitida ao vivo pelo Facebook da entidade, o presidente da AGERT, Roberto Cervo Melão, exaltou o trabalho de fôlego desta edição, que mais uma vez demonstra a força das emissoras junto às comunidades em que estão inseridas. O presidente da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT), Flávio Lara Resende, destacou: "os números deste relatório são superlativos e comprovam a importância do associativismo. Imbuídas no espírito de solidariedade, as emissoras associadas doam parte de sua grade em prol de divulgações de ações sociais e, assim, cumprem com excelência a missão de bem informar".

Em seguida, a vice-presidente de Capacitação da AGERT e coordenadora do projeto, Myrna Proença, apresentou os números do Relatório e propôs uma profunda reflexão sobre o papel dos comunicadores frente à violência contra as mulheres. Myrna ainda destacou o crescimento histórico de participação das emissoras associadas no Relatório Social. Sobre a temática escolhida, ressaltou: "esse relatório é quase um manual para que as emissoras trabalhem a pauta em suas comunidades, em parceria com a Polícia Civil e outras autoridades. Estimular que as pessoas denunciem este crime. Podemos iniciar um grande movimento de mudança em nosso estado, a partir da discussão dessa pauta. A radiodifusão tem um poder extraordinário e nesta edição estão compiladas informações e análises importantes".

A chefe de Polícia do Estado, Nadine Anflor, enfatizou a importância de abordar o tema: "tratar do feminicídio não depende apenas das forças de segurança, mas de toda a sociedade e especialmente dos veículos de comunicação". Ela afirmou que hoje o RS conta com 23 Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (DEAMs) e que todos os profissionais das demais delegacias do estado estão sendo treinados para bem acolher as mulheres. "Criamos o projeto Sala das Margaridas, um espaço em cada delegacia - que não o balcão de atendimento – que visa dar o respeito e a proteção que as vítimas. Hoje temos 22, mas nenhuma sala é aberta sem que todos os profissionais recebam a capacitação de uma delegada de polícia, para ter o olhar diferenciado para o acolhimento. Sabemos que o combate a este crime é um trabalho árduo, mas temos que unir forças e com certeza este material servirá de base para discutir com propriedade e pautar este tema".

O doutor em Psiquiatria Nelio Tombini, que assim como Nadine foi um dos entrevistados da edição, destacou que é preciso lançar luz sobre a saúde mental, questão diretamente ligada a este tipo de violência. "No que diz respeito ao feminicídio e à violência contra a mulher, é preciso olhar para o cenário que envolve o ambiente em que ocorre a violência, o fator emocional que influencia na decisão de manter em silêncio. As mulheres precisam de espaço para se abrir, precisam se sentir seguras e encorajadas a denunciar", frisou. Ele citou o grupo de apoio psicoterápico do SUS, na Santa Casa de Porto Alegre, coordenador por ele: "a terapia desempenha um papel fundamental no fortalecimento emocional de pessoas que estão em vulnerabilidade. Ter espaço de fala é essencial para se libertar de um ciclo de dependência e violência, seja física ou moral. Muitas vezes a mulher não se dá conta de que está sofrendo algum tipo de abuso". Tombini elogiou a iniciativa da AGERT, que soma esforços na conscientização sobre a importância da denúncia contra a violência.

O governador Eduardo Leite frisou quão positiva é a iniciativa da AGERT em levantar a bandeira do combate à violência contra a mulher e ao fomentar o debate da pauta. "Vivemos um tempo de mudança cultural, de maior força, reconhecimento e poder para as mulheres, mas isso é muito recente em nossa história como humanidade e há tanto ainda para evoluirmos. Trabalhamos no reforço da segurança pública com relação a este tipo de violência, mas é preciso uma transformação cultural, com indignação coletiva aos atos praticados contra as mulheres. E para isso, os meios de comunicação são fundamentais".

Texto: Sâmela Lauz